Mongaguá volta a ter transporte municipal após 10 dias sem ônibus

Fonte CONUT - 11/05/2018 - 10h30min
Mongaguá volta a ter transporte municipal após 10 dias sem ônibus
Após 10 dias sem transporte municipal, os moradores de Mongaguá, no litoral de São Paulo, voltaram a ver os ônibus circularem pela cidade. Nesta segunda-feira (7), a empresa Ação Transportes e Turismo assumiu, de maneira emergencial, o serviço de transporte coletivo do município por 180 dias.
 
A vencedora da licitação emergencial operará o sistema com 13 ônibus, dois micro-ônibus e mais dois ônibus reservas. A empresa Beira Mar, que atuava há mais de 30 anos no município, abandonou o serviço no dia 27 de abril. "Quando saí de casa e vi o ônibus, quase caí. Não acreditei que estava vendo o ônibus passando na cidade", explica a aposentada, Severina Soares.
 
A estudante Gabriela Martins, conta que chegou a ficar mais de 40 minutos no ponto aguardando o coletivo. "Hoje eu peguei o ônibus, não esperei nem 10 minutos. Passou rápido, mas ultimamente estava difícil. Eu ficava 40 minutos pra pegar o ônibus, isso se ele parasse. Muitas vezes já passava cheio e nem parava", conta.
 
De acordo com a administração municipal, os novos ônibus são veículos modernos, com idade de utilização dentro da normalidade, com plataforma de acesso para deficientes e espaço reservado para cadeira de rodas. "Ônibus mais higienizados, não estão caindo aos pedaços. Não são novos, mas são melhores que os de antes", declara a dona de casa, Maria Aparecida Ferreira.
 
Beira Mar
 
Desde o ano passado, os 12 mil usuários diários do transporte público de Mongaguá têm enfrentado problemas com a Viação Beira Mar. Em outubro, os motoristas da empresa cruzaram os braços e não saíram da garagem com os ônibus. Eles pediam o pagamento dos vencimentos de setembro daquele ano.
 
Em fevereiro deste ano, os 56 funcionários da empresa voltaram a paralisar os serviços de transporte na cidade. Na época, eles alegavam que não havia sido feito o pagamento dos vencimentos referente ao mês de janeiro, além de seis funcionários estarem sem registro de sete meses e o fundo de garantia atrasado, em média, há dois anos. A greve, porém, durou apenas 24 horas.
 

Ainda no fim de fevereiro, os munícipes ficaram novamente sem ônibus. Desta vez, 93% da frota deixou de operar por estar quebrada, o que inviabilizava o serviço na cidade. A situação foi contornada parcialmente, quando pouco mais de metade de frota foi colocada de volta às ruas. 

COMPARTILHAR
Presidente da CONUT participa de Audiência Pública na Comissão de Infraestrutura do Senado Federal
11/05/2018
Presidente da CONUT participa de Audiência Pública na Comissão de Infraestrutura do Senado Federal
O Presidente da CONUT participou hoje dia 16/09/2019, da Audiência Pública na Comissão de.

Petrolina (PE) aprova lei que regulamenta aplicativos de transporte de passageiros
11/05/2018
Petrolina (PE) aprova lei que regulamenta aplicativos de transporte de passageiros
Prefeitura quer combater clandestinos; motoristas do Uber dizem que projeto inviabilizará .

BUSÃO, AEROPORTO E SHOPPING: RECONHECIMENTO FACIAL JÁ É REALIDADE NO BRASIL
11/05/2018
BUSÃO, AEROPORTO E SHOPPING: RECONHECIMENTO FACIAL JÁ É REALIDADE NO BRASIL
Além de aeroportos e lojas, os ônibus também já foram invadidos por reconhecimento facial..

 



faleconosco

 (61) 99649-8092


contato@conut.org