Investimento federal em transporte recua 2 décadas

Fonte CONUT - 03/03/2020 - 10h00min
Investimento federal em transporte recua 2 décadas

 O agravamento da crise fiscal levou o investimento público federal em transportes ao menor nível em duas décadas, aponta levantamento inédito elaborado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e entregue ao Valor. Neste ano, a parcela do orçamento do Ministério da Infraestrutura destinada aos investimentos é de R$ 7,9 bilhões. Em 2012, o ponto mais alto da série, foram R$ 35,6 bilhões.

 
"Vemos a tentativa do governo de realizar investimentos num cenário de contenção de gastos e restrição orçamentária", comentou Matheus de Castro, especialista em infraestrutura da CNI. Já há muitos anos, a parcela dos recursos federais destinados aos investimentos vem sendo comprimida pelo avanço dos gastos com Previdência e o peso do custeio da máquina. "Daí a importância de prosseguir com as reformas", observou.
 
Para contornar a falta de recursos, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, tem articulado com parlamentares para que apresentem emendas ao Orçamento, direcionando mais recursos para sua pasta. Para 2020, são R$ 2,3 bilhões, segundo informou sua assessoria. No total, contando os recursos do Orçamento, das emendas e os restos a pagar, o ministério terá R$ 12,2 bilhões para investir este ano, informou a pasta.
 
Ainda assim, o montante é baixo diante da necessidade. O estudo da CNI aponta que os investimentos estão em queda num momento em que seria necessário pelo menos dobrá-los. O especialista cita estudo da consultoria Inter.B segundo o qual os investimentos em infraestrutura estão na casa de 1,8% do Produto Interno Bruto (PIB).
 
No entanto, seria necessário elevá-los para 4% do PIB para, em 20 anos, recuperar o estoque que o país já teve nos anos 1980 e para recuperar as condições de competição com economias semelhantes. A criação do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), em 2016, foi um ponto importante para diminuir o déficit de investimentos em infraestrutura, destacou.
 
Segundo o Ministério da Infraestrutura, serão contratados mais de R$ 231 bilhões em investimentos privados por meio das concessões de rodovias, aeroportos, ferrovias e terminais portuários até 2022. O trecho da BR-101 em Santa Catarina será ofertado hoje na B3. Só nesse empreendimento, a previsão de investimentos é de R$ 7,4 bilhões.
 
É cedo para avaliar o efeito da transferência do PPI para o Ministério da Economia, confirmada no início deste mês, afirmou o gerente-executivo de Infraestrutura da CNI, Wagner Cardoso. "O mais importante é que o PPI continue como órgão centralizador de projetos", destacou. E que haja continuidade no programa, com a estruturação de novos empreendimentos para serem leiloados, completou o especialista.
 
Apesar do orçamento restrito, o Ministério da Infraestrutura tem conseguido priorizar bem o uso dos recursos de que dispõe, avalia a CNI. Freitas é chamado nas redes sociais de "asfaltador-geral da República". O presidente Jair Bolsonaro costuma, em sua conta no Twitter, ressaltar a conclusão de obras.
 
"Ele é do ramo", comentou Cardoso. Engenheiro, com perfil técnico, Freitas destoa do conjunto de parlamentares que comandou a área de transportes do governo nos últimos anos.
 
Um exemplo é a conclusão do asfaltamento da BR-163 até o porto de Miritituba (PA). Trata-se de uma "quebra de paradigma" na logística do agronegócio, destacou Cardoso. A rodovia consolida os portos do Norte do país como opção para o escoamento de soja e milho do Centro-Oeste.
 
"Mas eu acho que precisava fazer logo uma concessão de manutenção", acrescentou o gerente da CNI. Com tráfego de caminhões pesados, o asfalto exigirá cuidado constante.
 
As concessões para manutenção de rodovias foram estudadas no governo de Michel Temer como alternativa para desafogar o orçamento do Ministério dos Transportes. No entanto, a ideia foi deixada de lado porque as tarifas de pedágio necessárias para financiar o serviço ficaram muito elevadas. No caso da BR-163 em seu trecho paraense, custaria R$ 9 a cada 100 km. "É um preço que a soja não comporta", disse Cardoso.
 
Mas a tarifa ficou nesses níveis porque as simulações consideraram um prazo curto, de dez anos, para a concessão desse trecho da BR-163. Isso porque há planos de se construir uma ferrovia no mesmo trajeto, a Ferrogrão, ligando Sinop (Mato Grosso) a Miritituba (Pará). Os dez anos correspondem ao prazo estimado para a conclusão da linha.
 
Os ajustes no marco regulatório de concessões e Parcerias Público-Privadas (PPPs), num projeto de lei do deputado Arnaldo Jardim (Cidadania-SP), poderão ajudar nesse sentido. O texto, ainda em elaboração, abre espaço para a celebração de contratos de concessão mais longos. De acordo com Cardoso, é preciso reformar também outros pontos. Por exemplo, a proteção cambial aos investimentos em infraestrutura, uma antiga demanda dos fundos estrangeiros.
COMPARTILHAR
Justiça anula conselho de mobilidade e mantém suspenso reajuste de ônibus em São José
03/03/2020
Justiça anula conselho de mobilidade e mantém suspenso reajuste de ônibus em São José
Prefeitura tenta, desde janeiro, ter autorizado o aumento da passagem para até R$ 4,90. Fo.

Passeata de taxistas contra regras diferentes para aplicativos afeta trânsito no Centro de Campinas
03/03/2020
Passeata de taxistas contra regras diferentes para aplicativos afeta trânsito no Centro de Campinas
Ato ocorreu pelas vias da região central em direção ao Paço Municipal no início da manhã e.

 



ondeestamos
SAUS Quadra 01 Bloco J Ed CNT
Torre B Sala 707
Cep: 70070-010
Brasília - DF

faleconosco
Fones: (61) 3364-0303 / 3364-3838
contato@conut.org